10 de dezembro de 2019
Olhar Brasilia
Marcia Zarur

O que você tem a ver com a corrupção?

Num país mergulhado na roubalheira, é bom perguntar: será que a gente tem alguma coisa a ver com isso, ou os ladrões estão restritos ao mundo político? Essas indagações fazem muito bem e são necessárias e fundamentais se nós quisermos realmente mudar o país.

A frase é clichê, parece receita de Facebook, mas é real: a mudança tem que começar por nós.

É fácil apontar o dedo, reclamar, xingar os políticos e simplesmente não fazer a sua parte. E o combate à corrupção é mais do que uma questão de princípios – está relacionado, como tudo e antes de tudo, à educação.

No Brasil, combater a corrupção é combater o famoso jeitinho brasileiro.

Levar vantagem não é bonito, ser espertalhão não é louvável, passar alguém pra trás não é astúcia. Tudo isso é desonestidade pura, mesmo que apareça travestido de esperteza. Essa glamourização da malandragem nos puxa pra trás e nos faz menos civilizados.

São essas reflexões que o Ministério Público quer provocar em alunos das escolas do DF. Palestras mostram a parcela de culpa individual neste mar de lama em que se encontra o país.

Furar fila, comprar produto falsificado, pagar meia-entrada indevidamente, parar em vaga de deficiente ou idoso, roubar o troco, sonegar imposto… A lista é interminável e quase todo mundo já participou de alguma maracutaia dessas.

Nas palestras, voluntários chamam a atenção dos estudantes pra essa mudança de hábito, que muda tudo em volta. Ano passado, mais de 27.000 estudantes participaram do projeto, que é mais do que uma conversa de conscientização, é um pedido de socorro aos jovens. Um apelo pra que se tornem agentes transformadores e que deem esperanças de algum futuro pra este nosso judiado país.

Vale Olhar os contato do MPDFT pra ser voluntário nesse projeto: 3343-9497 ou 3343-9670 ou procdist@mpdft.mp.br

Você também pode gostar

6 Comentários

  • Reply
    Danielle Belga Sedlmaier
    2017-06-14 at 12:57

    Excelente post!
    Educação é tudo. E o exemplo também. Estou cansada de ver pais e mães quase obrigando o filho a furar uma fila no parque, no cinema… É inacreditável. É de pequeno que se deve aprender a respeitar o próximo, a pensar no outro.

    • Reply
      marcia zarur
      2017-06-14 at 19:45

      Isso mesmo Danielle, educação e exemplo são tudo!

  • Reply
    Tiago Correia
    2017-06-14 at 15:23

    Muito bem!!!

    • Reply
      marcia zarur
      2017-06-14 at 19:46

      😉

  • Reply
    Elza Maria
    2017-06-14 at 23:14

    Marcia e Samanta!!!
    Como é bom vermos o Olharbrasilia divulgar iniciativas extremamentes importantes como a citada acima, do Ministério Público que vem oferecendo, aos alunos das Escolas Públicas do DF , a oportunidade de conhecerem os reflexos negativos de pequenas atitudes inadequadas , a exemplo da perpetuação do jeitinho malandro brasileiro, que a sociedade vem sacramentando mas que facilitam a corrupção.
    Parabéns ao site e, mais ainda ao MPDF!

    • Reply
      marcia zarur
      2017-06-16 at 19:56

      Iniciativas neste sentido sempre devem ser apoiadas e divulgadas. Tomara que o trabalho do MP renda bons frutos…

    Deixe uma resposta