17 de setembro de 2019
Olhar Brasilia

Fotos de Sandra Beatriz Zarur

Marcia Zarur

Nosso Lago grita por socorro!

Sinais de alerta gritam pela saúde do Lago. Só esta semana foram dois!

Primeiro a morte de centenas de peixes no Rio Paranoá, que é a continuação do Lago. Nem tínhamos nos recuperado desse susto, veio outro: a qualidade da água no Deck Sul, recém-inaugurado, está imprópria, inclusive com a presença excessiva da bactéria que causa cólera e pode matar.

Passei o dia ontem conversando sobre o assunto e pedindo informações aos órgãos responsáveis. ADASA, Caesb, Ibram, Novacap. Recebi uma penca de notas burocráticas e explicações pouco convincentes.

Na mortandade dos peixes, o Ibram afirma que os fiscais foram ao local para tentar descobrir o que aconteceu, mas ainda não têm uma resposta. A Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal, a ADASA, diz que os órgãos do governo ainda estão investigando o que houve.

A água que passa do Lago para o Rio é controlada por comportas da barragem, que ficam a cargo da CEB. Após a morte dos peixes, as comportas foram abertas para aumentar o nível do rio. Só depois que piaus, lambaris e cascudos morreram, aos montes.

 

Quanto à poluição excessiva da água no Deck Sul, quem respondeu foi a Novacap, afirmando que vai dar todos os esclarecimentos à Justiça, já que o Ministério Público pediu a interdição da área. A Novacap insiste que executou a obra de forma correta, que a vegetação retirada foi substituída por outras mudas de árvores do Cerrado e que plantou grama também. Mas o MP aponta, além da contaminação da água, o descumprimento de licenças ambientais, mau cheiro, erosão e assoreamento.

Uma pena, porque o lugar é uma ótima opção de lazer. Mas desde que não comprometa o meio ambiente, claro!

“É preciso haver transparência. Não queremos informações técnicas, queremos a realidade”, pede o acadêmico do Instituto Histórico e Geográfico do DF Eugênio Giovenardi. Ele já vem alertando há tempos sobre os riscos que o nosso Lago corre. (Leia também: Lago Paranoá – futuro incerto)

“O Lago é a concentração de água poluída que vem das nascentes, por isso é fundamental investir águas acima, pois estamos vivendo um dos piores cenários das águas em Brasília”, ressalta o professor. “É a vegetação que limpa a água. O Cerrado tem 60 milhões de anos em experiência em purificar a água, então é primordial que seja preservado!”

O professor Giovenardi é mais um que reclama da surdez dos gestores. “A sociedade civil está sedenta para participar, mas, quando a gente procura, as portas estão fechadas.”

Você também pode gostar

5 Comentários

  • Reply
    Maria Cecilia Cattini
    2017-07-06 at 12:05

    Muito triste…

    • Reply
      Marcia Zarur
      2017-07-23 at 20:21

      Muito triste mesmo! A população precisa acompanhar de perto esta situação.

  • Reply
    Marcela
    2017-07-06 at 19:52

    Que dó!

  • Reply
    Sandra Beatriz
    2017-07-07 at 05:35

    Muito preocupante!

    • Reply
      Marcia Zarur
      2017-07-23 at 20:17

      O descaso com a qualidade do nosso Lago é realmente muito preocupante.

    Deixe uma resposta