2 de dezembro de 2021
Olhar Brasilia

Sandra Beatriz Zarur

Marcia Zarur

Queremos o Teatro Nacional de volta!

A Secretaria de Cultura promete reabrir o Foyer da Villa Lobos até o fim deste ano. Mas a obra das salas ainda não tem previsão.

Sempre tive fascinação pelo prédio em forma de pirâmide sem o ápice, com os blocos de Athos Bulcão na fachada.

Ali tudo é especial. Não é toda hora que conseguimos juntar 4 gênios numa única construção. Lucio Costa definiu o local; Niemeyer projetou; Athos Bulcão deu vida às paredes externas; e Burle Marx criou jardins incríveis pra compor mais essa obra de arte de Brasília.

O sol faz a festa foi o nome dado por Athos para a intervenção na fachada, afinal, é lúdico ver a dança das sombras projetadas na parede, dependendo da hora do dia. Quem me contou foi Valéria Cabral, diretora executiva da FundAthos. Lindo, não?!

Por isso tudo, me dá um aperto no peito pensar que o nosso Teatro Nacional já está fechado há mais de 3 anos, parece mentira! – e sem perspectivas de reabertura. Ontem, estava passando em frente e não resisti, parei o carro para olhar.

Confesso que me surpreendi com os arredores bem cuidados. Aquela imagem de abandono que tinha visto da última vez, com mato alto, lixo espalhado e usuários de drogas, deu lugar a calçadas limpas e jardins conservados. Só um pedacinho da fachada recebeu uma criminosa pichação.

Aproveitando a porta de vidro entreaberta, fiz sinal para o vigia, que me deixou entrar. Caminhei pelo Foyer fazendo uma viagem pela minha memória afetiva, pelos incontáveis shows de Oswaldo Montenegro, de Dança dos Signos a Drops de Hortelã. Pelas grandes peças que quando vinham a Brasília tinham como palco a Villa Lobos. Marília Pera, Fernanda Montenegro, Paulo Autran, Marco Nanini, Ney Latorraca… Os passos de balé da delicada Ana Botafogo e dos mundialmente famosos bailarinos do Bolshoi. Cheguei a ver Mikhail Baryshnikov rodopiando sem parar na Villa Lobos! E agora a nossa Orquestra Sinfônica sem casa?!

A conversa com o vigia foi rápida, e infelizmente não pude tirar fotos do jardim interno e das lindas esculturas de Ceschiatti e Mariane Perreti. Olhando o lugar, não dá pra imaginar que o Corpo de Bombeiros tenha listado mais de 100 irregularidades. Isso mesmo, uma centena de problemas que não começaram sequer a serem resolvidos.  Dá desânimo pensar em quanto tempo vai demorar pra termos o nosso Teatro Nacional de volta…

A Secretaria de Cultura informou que está trabalhando no projeto de proteção e combate a incêndio, aprovado pelo Corpo de Bombeiros, e de medidas de acessibilidade para o Foyer. Disse ainda que não há prazo para a reabertura das salas Villa Lobos e Martins Penna, mas que é certo que o Foyer da Villa Lobos será reaberto ao público ainda este ano.

Você também pode gostar

6 Comentários

  • Reply
    Albertini Xavier
    2017-07-13 at 17:05

    Realmente. Estamos carente dos eventos que sempre aconteceram no Teatro Nacional , precisamos de atenção e carinho para estimular os eventos culturais na capital do país!

    • Reply
      Marcia Zarur
      2017-07-23 at 20:16

      Você tem toda razão! E Brasília vem sofrendo com a falta de espaços culturais. Queremos o nosso Teatro Nacional de volta!!

  • Reply
    Elza Maria de Mello
    2017-07-13 at 21:44

    Que belo e importante texto sobre o nosso Teatro Nacional!! Que bom poder ler e saber que poderemos voltar , em breve, a reviver a grandeza do Teatro!
    Parabéns Márcia Zarur!
    Como é bom perceber que temos um canal, como esse , do Olharbrasília , realmente preocupado em chamar a atenção para que possamos recuperar a nossa Capital !!
    A vigília de vcs nos dá alívio e esperança ! Nós, pioneiros q amamos essa cidade, temos é que agradecer!! E eu agradeço a toda equipe do Olharbrasília!!!!

    • Reply
      Marcia Zarur
      2017-07-23 at 20:15

      Nós é que agradecemos a sua participação e incentivo. Precisamos de mais gente com esse olhar carinhoso para Brasília. A cidade merece!!

  • Reply
    Rosa Varella
    2018-03-29 at 11:40

    Sempre de olho nas suas matérias, que sempre são acertavas, fundamentadas e com amor especial pela cidade e habitantes.
    Recheada por fotografias que encantam a alma.
    Não me canso de lê-las!

    • Reply
      Marcia Zarur
      2018-07-04 at 20:15

      Que retorno encantador, Rosa! Muito obrigada!!

    Deixe uma resposta