Olhar Brasilia
Vitrine Cultural

O que o público brasiliense ganha com o novo ‘Pacote da Cultura’

Por Marcia Zarur

Qual espaço cultural você gostaria de ver funcionando?

Pra mim, a resposta é fácil: o Teatro Nacional. É sempre o primeiro lugar que me vem à cabeça, especialmente porque é o principal teatro da cidade e já está há mais de três anos fechado. A reforma só deve começar no fim deste ano, e sabe-se lá quando fica pronta. Mas há algumas boas notícias: a Sala Martins Pena deve ser reaberta no ano que vem e o Foyer da Villa-Lobos já volta a funcionar em novembro.

A informação já tinha sido dada ao Olhar Brasília (veja aqui: http://www.olharbrasilia.com/2017/07/13/queremos-o-teatro-nacional-de-volta/) e foi confirmada ontem pelo secretário Guilherme Reis durante o anúncio do “Lugar de Cultura” – um pacote lançado pelo GDF que pretende empreender uma série de medidas de infraestrutura, gestão e programação.

Na prática, muita coisa pode mudar para o público brasiliense. Além das novidades no Teatro Nacional, o Complexo da República também será beneficiado, já no próximo mês, com a abertura do acesso de carros pela Esplanada dos Ministérios, além da impermeabilização e pintura da fachada do museu e da revitalização dos elevadores da Biblioteca Nacional.

O pacote também inclui, ainda este semestre, a reabertura do Centro de Dança, com cinco salas e videoteca reformadas; e a reinauguração da Biblioteca Pública de Brasília, na 312/313 Sul, que teve a área revitalizada, com adaptação de banheiros para acessibilidade, pintura, troca de piso, de forro e das instalações hidráulicas.

Espaço Renato Russo e MAB

Mas não são só boas notícias. O Espaço Cultural Renato Russo, na 508 Sul, depois de vários adiamentos, só será entregue em fevereiro do ano que vem; e a reforma do Museu de Arte de Brasília, o MAB, previsão só para outubro de 2018.

LOC e FAC

E tem novidades na sopa de letrinhas da cultura. A LOC, Lei Orgânica da Cultura, deve ser votada no plenário da Câmara Legislativa na próxima terça-feira. E um dos pontos mais preocupantes para a classe artística do DF parece estar perto de um bom desfecho. Representantes da área cultural conseguiram incluir a “blindagem” do FAC, o Fundo de Apoio à Cultura, no texto que vai para votação. Cerca de 80 pessoas ligadas à cultura estiveram na Câmara Legislativa nesta terça-feira e conseguiram garantir que os recursos do fundo voltem a ser integralmente destinados à cultura a partir de janeiro de 2018. Nós, do Olhar Brasília, vamos continuar de olho!

Você também pode gostar

6 Comentários

  • Reply
    Ray
    30 de agosto de 2017 at 11:10

    Obrigado pelas boas informações!!!!!

    • Reply
      Marcia Zarur
      7 de novembro de 2017 at 21:55

      Conte conosco, Ray!

  • Reply
    André Giusti
    30 de agosto de 2017 at 11:34

    Falta cultura pra periferia, né? E falo de teatro, dança, música instrumental, literatura, e não de shows milionários pagos pelas RA´s, como algum tempo atrás acontecia. Falo de coisas simples, mas que trazem horizontes para as cabeças das pessoas, que aliviam um pouco a tensão social que o DF (o Brasil todo) só vê crescer.

    • Reply
      Marcia Zarur
      7 de novembro de 2017 at 21:55

      Concordo totalmente. A Cultura tem que deixar de ser vista como supérfluo. Cultura (aqui também não me refiro aos shows milionários) é educação! Um grande abraço

  • Reply
    Adriana
    30 de agosto de 2017 at 16:08

    Bom demais ler isso Márcia!
    Sigo na torcida para que tudo seja cumprido, ou seja, que saia do papel e do infindável rol das promessas.
    Ah, parabéns pelo Olhar 😉
    Bjks, Adriana Dornellas

    • Reply
      Marcia Zarur
      7 de novembro de 2017 at 21:53

      Muito obrigada Adriana! Seguimos aqui também na torcida. Beijos

    Deixe uma resposta