21 de agosto de 2019
Olhar Brasilia

André Dib

Lá na minha rua

Nosso coração queima na Chapada

Um local que nós brasilienses amamos. Nosso refúgio. Um dos patrimônios ecológicos mais preciosos do país está agonizando, para nossa angústia e tristeza. A Chapada dos Veadeiros virou palco de uma batalha intensa contra o fogo. O incêndio se alastra há mais de uma semana, devastando a flora e matando os animais. Um cenário desolador. Mas a batalha continua, e uma força-tarefa foi criada para salvar o Cerrado.

Homens do Corpo de Bombeiros do DF foram enviados para reforçar o combate ao fogo. Em Brasília, várias iniciativas procuram ajudar. Uma corrente foi criada para coletar doações de remédios e material para cuidar e transportar os animais silvestres, que estão sendo resgatados do incêndio. A campanha pede soro fisiológico, lençóis, gaze e gaiolas. Muitos voluntários também estão lá na Chapada ajudando os bombeiros. O Zoológico de Brasília é o ponto de coleta. E o restaurante Universal, 210 sul, também estava coletando doações como botas e coturnas (tamanhos 38 a 43) e cantil para água.

Em outra frente, um financiamento coletivo arrecada dinheiro para alimentação das pessoas que estão trabalhando na Chapada, treinamento de voluntários, compra de equipamentos e combustível para os veículos de combate ao incêndio. O S.O.S. Chapada dos Veadeiros – Rede contra o Fogo já arrecadou quase 250 mil reais. Quem quiser contribuir pode acessar:  https://www.catarse.me/redecontrafogoveadeiro

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros arde em chamas sem controle. O incêndio na área, considerada Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco e Reserva da Biosfera do Cerrado, já devastou cerca de 26% dos 240 mil hectares de vegetação. É um prejuízo incalculável. E o mais impressionante é que há fortes indícios de que foi um incêndio criminoso, com o fogo se alastrando rápido devido ao prolongamento do período de estiagem.

É parte do nosso coração que está queimando na Chapada. A natureza ferida nos fere. Serão muitos anos para recuperar o que foi destruído. Cada vez mais, recebemos os sinais de que temos de preservar o meio ambiente. 

Você também pode gostar

Nenhum comentário

Deixe uma resposta