Olhar Brasilia

Glênio Dettmar

Samanta Sallum

Brasiliense com muito orgulho. Me respeite, por favor

A partir de hoje, o movimento Mexeu com Brasília, Mexeu Comigo  ganha mais impulso, corpo, esperança e entusiasmo! Não é um movimento de briga, mas um movimento de resgate de nossa autoestima, um movimento para gritarmos o que temos de bom. Resultado da ressonância com a comunidade de forma direta e natural. Convidamos a todos a participar, a mostrar que aqui nesta cidade tem gente de verdade, com coração, alma e honestidade.

Agora é para valer! Ninguém mais nos segura. Pois nosso sentimento não é de um ou de outro. É de todos, de todos os gêneros, todas as cores, todas as classes sociais. Moramos em Brasília e queremos respeito. Nascidos ou não aqui, amamos essa cidade e temos motivos para nos orgulhar dela, e não vergonha. Hoje, 5 de dezembro, o site Olhar Brasília comemora seis meses. Seis meses de um sonho sendo realizado, de muitas boas surpresas. 

A campanha Mexeu com Brasília, Mexeu Comigo nasceu de um engajamento espontâneo dos brasilienses. Surgiu em consequência a um texto que escrevemos aqui respondendo ao jornalista Ancelmo Goes a provocação que ele fazia em uma nota, na sua coluna de O Globo.  Ele dizia não saber que atrativos nossa cidade teria a um turista. O título do nosso texto expressou um sentimento sufocado por milhares de pessoas e acabou virando um movimento.

Frequentemente, Brasília é citada de forma negativa, é retratada de forma injusta. Basta de desrespeito com uma população de 3 milhões de pessoas. Brasília não pode ser apedrejada por ser sede do Poder. Não podemos, nós brasilienses, ser culpados por um problema que é nacional.

O brasiliense sofre o estigma da corrupção como os goianos sofreram com o Césio. Somos alvo de preconceito. Parece que todos nós estamos contaminados. Passamos constrangimentos quando estamos em outras cidades do país. Nem as crianças são poupadas. Contamos a situação de nossos alunos, crianças entre 10 e 12 anos, que representavam Brasília nos jogos escolares em Curitiba e foram ofendidos por serem daqui (Leia aqui)

Sim, a nossa capital tem muitos problemas e não podemos fechar os olhos para eles. Mas não somos a capital da corrupção como querem nos atribuir. Não podemos ser resumidos ao que acontece na Esplanada dos Ministérios e no Congresso. Temos muitos motivos para amar Brasília. Quanta coisa boa já saiu daqui para o Brasil. A lista é grande e sempre faltará algo ou alguém.

O que queremos é mostrar esse outro lado da capital. O lado humano, cultural, comunitário. A nossa cidade-parque, a nossa cidade-vanguarda, a nossa cidade-céu, a nossa cidade-música, a nossa cidade que se estende por todo o nosso quadrado, a nossa cidade-poesia, todas as cidades que pulsam aqui. O que queremos é acarinhar e contribuir para que os brasileiros tenham um pouco mais de amor por sua capital.

Eu, Samanta Sallum, e Márcia Zarur acreditamos profundamente em tudo que fazemos aqui. Criamos esse espaço de forma quase artesanal, com recursos próprios, para ser um lugar em que a gente possa praticar de verdade aquilo que acreditamos. Poder olhar e ouvir a cidade de uma outra forma, e reproduzir não apenas nosso pensamento, pois ele só faz sentido se refletir os anseios de quem vive em Brasília. Agradecemos muito a todos que nos apoiam e colaboram e a quem nos acompanha diariamente por aqui. Vamos em frente que a gente tem muita história para contar! 

Você também pode gostar

9 Comentários

  • Reply
    Ana Maria
    5 de dezembro de 2017 at 19:33

    Amei a campanha! Brasília não é um grupo de políticos desonestos de tudo quanto é origem!

    • Reply
      Marcia Zarur
      12 de dezembro de 2017 at 18:09

      Exatamente! Não podemos deixar que resumam uma cidade inteira a este clichê.

  • Reply
    César Fechine
    6 de dezembro de 2017 at 00:28

    Parabéns, Samantha e Márcia, pela iniciativa! Somos brasilienses que temos orgulho de ter uma atividade justa e de amarmos a nossa cidade.

    • Reply
      Marcia Zarur
      12 de dezembro de 2017 at 18:09

      Muito obrigada pelo apoio, César.

  • Reply
    Renata
    7 de dezembro de 2017 at 18:44

    Sou brasiliense, também conhecida como calanga do cerrado, amo Bsb (aliás poucos entendem esta sigla) de uma asa a outra. Não temos mar, mas temos o belo Lago Paranoá. O céu é sem igual. O planalto é espetacular. Somos quase 3 milhões de trabalhadores íntegros e honestos. Somos muitos, somos tribos, somos uno! #mexeucombrasíliamexeucomigo

    • Reply
      Marcia Zarur
      12 de dezembro de 2017 at 18:10

      Isso mesmo Renata! Linda declaração!

  • Reply
    André
    8 de dezembro de 2017 at 16:38

    Bem nada a ver o programa e a reportagem… os politicos, nao todos, e seu entorno muitas vezes sao corruptos sim. Imaginei que fosse algo que defendesse Brasilia contra a corrupção, mas nao vejo nada de produtivo.

    • Reply
      Ricardo
      11 de dezembro de 2017 at 14:56

      Boa tarde André!
      Não se trata de um programa ou reportagem…é sobre o sentimento da população da cidade, que tem moradores que amam o lugar, com suas qualidades e defeitos. É justamente para dissociar essa imagem que é erroneamente vinculada à cidade. A corrupção é um problema não apenas nacional, mas mundial. É injusto e desrespeitoso com os brasilienses conceituar a cidade assim.
      Convidamos você a reavaliar essa visão, e perceber uma Brasília que sofre os problemas que toda cidade tem, e que não se resume à esplanada dos Ministérios e os Palácios. Não somos só política. Existe uma Brasília solidária, cultural, musical, de parques amplos, de atividades ao ar livre, de campeões do esporte, de céu limpo, de ar puro.
      Não é para ser produtivo, mas sim provocar a avaliação pelas pessoas, e a quebra de estigmas e preconceitos.
      Abraço!

    • Reply
      Marcia Zarur
      12 de dezembro de 2017 at 18:11

      Exatamente isso que o Ricardo falou! Assinamos embaixo.

    Deixe uma resposta