Olhar Brasilia
Espaço convidado

OLHAR BRASÍLIA

Convidado: Silvestre Gorgulho é jornalista, ex-secretário de Cultura e um apaixonado por Brasília.

Brasília nasceu generosa.
Generosa com quem aqui chegou antes mesmo de existir brasilienses.
Generosíssima terra das oportunidades.
Não exagero!
Brasília foi generosa com quem veio a cavalo, caminhão, avião, a pé
para fincar a Estaca Zero.

Brasília tem generosidade camaleoa. Noite e dia.
Com ou sem censura,
Brasília foi generosa com a ditadura e com a Democracia.
Generosa com os partidos e partidários.
Com os honestos e salafrários.
Brasília é generosíssima com quem explora seu espaço sagrado:
construtores, invasores, corretores e especuladores.

Brasília acolhe cineastas, fotógrafos e cinegrafistas.
É generosa em megapixel.
Vindo de onde vier, Brasília seduz pelo céu
e se entrega escandalosamente em luz, sua matéria prima: paisagem em azul – mar de cabeça prá cima.

Para jornalistas, Brasília é generosa vedete.
Os fatos são eloquentes,
as informações são fartas, com ou sem cassetete,
tem sempre notícia para salvar a manchete.

Brasília é generosa com artistas, repentistas e desportistas.
Com a diversidade e com a arte por toda parte.
Brasília hospeda generosamente todas as diplomacias, credos e famílias.
Brasília é generosíssima com servidores públicos e privados.
Com os bem e os mal amados.

Brasília é generosa com escritores e com arquitetos
com os poetas do concreto e do afeto.
Generosa com os humildes e os sem-destino,
com o ateu e o divino.
Também é generosa com quem busca seu endereço
para ter poder a qualquer preço.

Brasília só quer justiça com os que fazem da força
um jogo de barganha, ganância e cobiça.
Brasília é, sobretudo, generosa com os governantes.
com os amantes e os flutuantes.
com os bélicos e angélicos.

Generosa com aventureiros, grileiros, trapaceiros e curandeiros.
Generosa com os místicos, políticos, causídicos e com tantos críticos.
Brasília é generosa com as cores, os sabores e os beija-flores.
Brasília é generosa com quem ganhou e com quem perdeu…
Com quem busca um chão para chamar de seu
e até com aquele que cospe no prato que comeu.

Oh! Deus, até quando vai durar tanta generosidade?
Brasília é um sorriso, um abraço e um olhar
à espera de reciprocidade.

Você também pode gostar

Um comentário

  • Reply
    Tânia Battella
    6 de dezembro de 2017 at 12:38

    Que lindo texto sobre nossa generosa Brasília. Generosa demais…

  • Deixe uma resposta