21 de agosto de 2019
Olhar Brasilia
Lá na minha rua

Café da Asa Norte decide não expulsar moradores de rua

É polêmico, é realista, é humano! A decisão do Café Objeto Encontrado, na 102 Norte, acabou se tornando um manifesto sobre convivência e direitos humanos nas redes sociais. Abriu uma reflexão, com uma atitude prática, sobre a condição de moradores e vendedores de rua. Algo que faz parte da nossa rotina e que a gente tende a fechar os olhos. O café comunicou publicamente que não vai expulsar essas pessoas do estabelecimento para evitar “incômodo” dos clientes.

É polêmico, pois esbarramos sempre naquela discussão assistência social x segurança pública. Parte da vizinhança comercial e residencial avalia a atitude como perigosa. É, no mínimo, corajosa a decisão do Café Objeto Encontrado. Assim, faz uma opção bem clara de alinhamento conceitual com seus clientes. Pode, com a decisão, afugentar fregueses, mas pode ganhar novos e reconfirmar os seus. O espaço já nasceu convergindo com a pluralidade, a diversidade, a arte.

Parte da vizinhança investe em seguranças particulares e ações defensivas. Também não podemos condenar a comunidade que se sente insegura a querer tomar medidas dentro da legalidade para aumentar a proteção de moradores e comerciantes. Não queremos ser hipócritas. É preciso mais policiamento, sim; e mais eficiência nos programas sociais. E isso são coisas totalmente distintas.

Nós, do site Olhar Brasília, que já frequentamos o café, apoiamos o Café Objeto Encontrado. De forma alguma, queremos ter uma visão míope da violência que nos cerca. Mas a solução para ela não é a desumanização das pessoas. O comunicado oficial do Objeto Encontrado, em sua página do Facebook, ressalta bem o direito dos moradores de rua de circularem naquela quadra comercial. Veja aqui. Naquele lugar, eles não podem ser considerados invasores. Não se pode tratar todo morador de rua como criminoso.

Sim, pode ser incômoda a interrupção várias vezes numa mesa, durante o bate-papo, por alguém pedindo. Cabe a gente escolher o lugar a que vamos. E até experimentar, às vezes, se tivermos condições, o exercício da convivência. Por que não ajudar uma dessas pessoas comprando um pedaço de bolo e um café? O Objeto dá desconto para quem compra algo para um morador de rua. Vai ter gente que vai dizer que é jogada de marketing, que é papo furado, mas valem, sim, a iniciativa e, principalmente, a reflexão sobre o tema. E a decisão final é sempre do cliente.

Você também pode gostar

2 Comentários

  • Reply
    Catarina
    2017-12-20 at 22:04

    Uma atitude admirável ! Temos que enxergar as pessoas se colocando no lugar delas naquele exato momento.Um olhar respeitoso, um sorriso, pode levantar a alto estima delas . Exclusão é dor. Inclusão é aproximação.

    • Reply
      Marcia Zarur
      2018-01-18 at 21:33

      Isso, Catarina! E empatia é algo muito necessário. U

    Deixe uma resposta