21 de agosto de 2019
Olhar Brasilia

Helio Montferre

Samanta Sallum

Natália, nossa gente. Nosso orgulho!

Uma tragédia pessoal a trouxe para a cidade. Após um grave acidente em Recife , foi em Brasília que a então pequena menina encontrou condições para enfrentar o desafio de ter uma vida normal. Natália perdeu as duas pernas num atropelamento, quando tinha apenas 2 aninhos de idade.

Ela estava com a mãe numa parada quando um ônibus desgovernado , em alta velocidade , a atingiu . Sofreu traumatismo craniano e amputação das pernas.  Médicos chegaram a dizer que a menina tinha poucas chances de viver .

Mas  o que era para ser o fim foi o começo de uma trajetória de superação e sucesso. 

 Hoje, com 23 anos, ela é uma atleta cheia de troféus e medalhas. Atual campeã brasileira de tênis de cadeira de rodas, Natália Mayara já está classificada para as Paralimpíadas de Tokyo, de 2020, e para o próximo Pan, em 2019.

Nascida em Recife, filha única, veio morar em Brasília com os pais , aos 8 anos de idade , para receber tratamento no hospital Sarah  Kubitscheck. 

Já vinha anualmente à capital para cirurgias desde o acidente, até que a família decidiu se mudar de vez. E é Natália quem afirma: “Eu sou brasiliense. Até esqueço que nasci em Recife. Tenho um carinho gigantesco por essa cidade. Aqui tive tratamento, tive oportunidades. Não troco por lugar algum e olha que já viajei muito”.

Natália embarca em 31 de janeiro para uma temporada de treinos em Orlando, nos Estados Unidos. Mas não sabe quanto tempo vai ter condições financeiras de ficar. Ela recebe bolsa-atleta do Ministério do Esporte de R$ 3,3 mil e um patrocínio da Caixa Econômica Federal, de R$ 2 mil. Mas só os custos com o técnico chegam a 900 dólares. Por isso, Natália está em busca de mais apoios.

O cantinho dela é o Núcleo Bandeirante. “Cresci, estudei lá, conheço todo mundo, acho um lugar calmo. A gente nunca teve vontade de se mudar”, conta Natália, que começou no esporte aos 12 anos, na natação, e depois se apaixonou pelo tênis, durante os treinos no Cetef, perto da Enap.

Brasília fez por ela e ela faz por Brasília. Natália considera a capital bem adaptada para cadeirantes e especialmente o Núcleo Bandeirante, comparada a outras cidades brasileiras. Uma vitória que em grande parte é dela, pois esteve à frente das mobilizações junto da administração regional para a instalação de rampas. “Um benefício não só para os cadeirantes, como para idosos e pessoas em geral que tenham dificuldade de locomoção.”

Natália, você mata a gente de orgulho! Você é uma daquelas brasilienses que temos vontade de gritar para o Brasil e para o mundo todo: “Ela é de Brasília! Olha aqui o que temos de bom! Mexeu com Brasília, Mexeu com Natália!”

Obrigada por nos representar tão bem. Natália é bonita, inteligente, alegre, cheia de garra e humildade. É a prova viva do que pode dar certo por aqui. É a vitória da vida . Nossa estrela brasiliense. 

PS – Quem quiser ajudar Natália a conseguir mais recursos para se manter nos EUS  pode entrar em contato com ela pelo e-mail  natmayara@hotmail.com

Você também pode gostar

Nenhum comentário

Deixe uma resposta