7 de Fevereiro de 2018
Olhar Brasilia
Lá na minha rua

Desabamento no Eixão expõe fragilidade e o medo de que está por vir…

Ainda de ressaca e sem acreditar no desastre de ontem, quando uma parte do viaduto do Eixão desabou, o brasiliense agora teme pela situação de outras vias da cidade. E não é sem razão! Um documento do Tribunal de Contas do Df de 2011 já alertava para a necessidade de reparos urgentes em vários pontos do Plano Piloto.

O TCDF chamava a atenção para a situação crítica do viaduto que caiu, e apontava a mesma condição para: a Ponte do Bragueto, o estacionamento do Conjunto Nacional, e os viadutos sobre a via S2 e ao lado do Conjunto Nacional, além das tesourinhas das quadras 203/204 Sul e 215/216 Sul.

São ruas por onde milhares de brasilienses passam todos os dias, bem no coração da cidade. E algumas já chamavam a atenção pela péssima manutenção, antes mesmo do desabamento de ontem. Estruturas enegrecidas, com rachaduras e aspecto de abandono. Moradores do Lago Norte, que não têm alternativa para sair da península, estão apavorados. 

Ontem mesmo já começou a circular nas redes um abaixo assinado, exigindo a manutenção da Ponte do Bragueto, antes que ela caia. Em poucas horas já contava com mais de 400 assinaturas. É inacreditável que os habitantes da cidade precisem reivindicar o óbvio. Um descaso de vários governos com o serviço mais primário e, o mais grave, pondo em risco a vida das pessoas. 

O que mais se ouvia ontem era a eficiência dos governos para cobrar impostos e multas e não reverter no mínimo, no mais básico dos serviços para a população. Para onde vão os milhões arrecadados com o IPVA, por exemplo?!

Enquanto agradecemos o fato do desastre de ontem não ter feito nenhuma vítima, nos preocupamos com o que virá. Que os desabamentos dos últimos dias sejam o sinal de alerta para evitar os próximos, e façam o Governo do Distrito Federal priorizar a manutenção dos trechos que estão sob risco. Porque não podemos continuar contando com milagres para preservar vidas!

 

Você também pode gostar

Nenhum comentário

Deixe uma resposta