29 de junho de 2018
Olhar Brasilia
Lá na minha rua

Brasília Vida Segura

Iniciativa em Brasília prevê a redução de 10% do consumo nocivo de álcool. A capital foi uma das seis cidades escolhidas no mundo para o programa de segurança no trânsito pelo seu engajamento contra a violência nas vias. O objetivo é unir esforços para reduzir pela metade o número de mortos e feridos até 2020, uma meta da ONU.

Brasília, mais uma vez, é exemplo para o resto do país na frente da batalha contra a mistura de álcool e direção com o Brasília Vida Segura. O programa é uma parceria entre  poder público,  sociedade civil e iniciativa privada e atua em três frentes: trânsito, saúde e educação.

Em seu primeiro ano, entre 2016 e 2017, as iniciativas integradas salvaram 134 vidas no trânsito do DF. De 390 mortes em 2016, caiu para 258. A primeira etapa do projeto analisou dados e mapeou locais mais frequentes de acidentes no DF, o chamado ‘mapa de calor’. O levantamento foi realizado pelo Centro de Liderança Pública (CLP) em parceria com a Cervejaria Ambev.

O secretário de Mobilidade do Distrito Federal, Fábio Damasceno, reforça que o objetivo do Brasília Vida Segura é reduzir o número de mortes por acidentes  por meio de ações bem pontuais e práticas de engenharia de trânsito, que complementam as campanhas educativas de conscientização.  

Além das mortes evitadas, um número maior ainda de pessoas, cerca de 2,5  mil, foi poupado de ser vítima de ferimentos graves em acidentes que deixaram de ocorrer graças às medidas de segurança no trânsito. O Brasília Vida Segura  organizou um banco de dados de todos os acidentes ocorridos no ano anterior, com o levantamento dos pontos críticos de acidentes e o número de ocorrências em cada um deles. Com essas informações,  foi feito um diagnóstico das causas dos acidentes.

“No Lago Norte, por exemplo,  aconteceram duas mortes de ciclistas. Observamos que a região estava sem sinalização na ciclofaixa, então, reforçamos a sinalização, pintamos de vermelho, e não teve mais nenhum óbito de lá para cá. Na Avenida Hélio Prates, em Taguatinga, estavam acontecendo muitos atropelamentos. Fizemos intervenções viárias para garantir mais segurança aos pedestres”, aponta Damasceno.

Em 1995, quando foi deflagrada a campanha Paz no Trânsito no DF, um marco histórico na cidade, que a tornou referência de cidadania para todo o Brasil,  eram 600 vítimas do trânsito por ano e esse número caiu para 400. Em 2017, foram 235 mortes. Uma redução de um terço, comparado ao momento crítico da década de 1990.

A partir da “mancha do calor”, o mapa dos pontos de risco no trânsito do DF, foram listadas 300 ações, de simples a complexas, voltadas para a segurança viária e para o enfrentamento do consumo de álcool por quem dirige. “Desde uma pintura nas faixas de rolamento até a construção de viadutos ou passarelas. No último ano, conseguimos realizar quase 60% dessas 300 ações. Foram diversas ações para a melhoria das condições de trânsito tanto para motoristas, quanto para ciclistas, motociclistas e pedestres”, conta Igor Tokarski, que foi responsável pela articulação intergovernamental do Brasília Vida Segura no Governo do Distrito Federal.

O Brasília Vida Segura é uma parceria com a Cervejaria Ambev, que vem atuando fortemente em ações de conscientização de consumo de álcool e especialmente em frentes preventivas a acidentes de trânsito.  

“Sabemos que o uso nocivo da bebida ou associado à direção representa um risco, e queremos fazer parte da solução. Temos compromisso com o consumo consciente de nossos produtos. Desde que foi criada, a Ambev trabalha tanto com o público interno quanto com o externo para a conscientização de que bebida alcoólica é só para maiores de 18 anos, sem excessos e nunca associada à direção. Além disso, queremos contribuir positivamente no cenário da saúde pública do DF, que é outra prioridade do programa”, destaca o diretor de Relações Governamentais da Ambev, Disraelli Galvão.

Você também pode gostar

Nenhum comentário

Deixe uma resposta