22 de julho de 2019
Olhar Brasilia

Arte: Amaro Jr.

Capa Lá na minha rua

Você, motorista, siga seguro no trânsito!

Com o Programa Brasília Vida Segura, o Distrito Federal tem o maior número de autuações por frota do Brasil. Esse resultado atraiu a atenção de estados, que buscaram os órgãos fiscalizadores de trânsito na capital, como a Polícia Militar,  para entender quais estratégias são usadas.

Estamos falando de autuações, principalmente, em operações presenciais de rua. Isso significa, na prática, que a ação de fiscalização é não somente mais intensa como mais eficiente.

“Fazemos ações em pontos que não tem onde retornar; ou, se tem, fechamos o retorno. Não é maldade. É um trabalho sério para garantir a segurança do cidadão e salvar vidas.  Assim, recuperamos carros roubados, apreendemos armas irregulares e drogas. E até impedimos sequestros-relâmpagos”, explica o Coronel Souza Oliveira, à frente do Comando de Policiamento de Trânsito da PM-DF. 

A lei é para todos

Há também um trabalho de inteligência para monitorar as redes sociais. “Queremos pegar o que se acha espertão, aquele cara que monitora as redes, que fica se vangloriando que nunca é pego. A gente monta algumas blitzes para induzir aquele motorista, que tenta driblar a fiscalização, a se redirecionar a pontos em que estamos também presentes. Prontos para pegar infratores e criminosos”, alerta Oliveira.

“Baseado no que a gente vê no Brasil inteiro, se  adotarmos estratégia mais chamativa, nem sempre conseguimos pegar os mais perigosos ao volante.  O cara esperto, que bebe mais, é mais audaz, acelera, faz besteira, é o que mais queremos pegar.”

“Autuamos autoridades de forma geral e também policiais. Tem que moralizar, pois a lei é para todos. Mas isso tem um preço político que eu tenho que pagar na minha posição”, desabafa o comandante do CPtran.

De olhos bem abertos 

“A gente percebia muito cara que via a blitz de longe, aí trocava de condutor. Hoje, nós temos em muitas blitzes a nossa inteligência afastada, vendo a troca de condutores. Então, a gente autua e tem a imagem para provar.” 

Alguns fatores contribuem para os resultados positivos na fiscalização de trânsito da PM no DF. Um deles foi a integração, há  3 anos, de unidades policiais. “A PM tinha dois batalhões, um rodoviário e um urbano. Criou-se o Comando que eu represento. Ele está acima e garante a união de esforços. Um reforça o outro conforme a necessidade, a emergência do momento”, destaca Oliveira.

Brasília Vida Segura 

O Distrito Federal reduziu 50% as mortes no trânsito. É a primeira região do Brasil a atingir a meta da ONU definida para até 2020. A boa notícia é resultado de uma força-tarefa promovida pelo Programa Brasília Vida Segura. Uma parceria entre os órgãos fiscalizadores de trânsito do Governo do Distrito Federal e a cervejaria Ambev.

A  PM-DF é uma das fortes presenças no Comitê de Segurança Viária, composto também pelo DETRAN, DER, DNIT, polícias Civil e Rodoviária Federal, Bombeiros, SAMU e Novacap – com a coordenação da Secretaria de Transporte e Mobilidade do DF.

A projeção de acidentes no Distrito Federal, segundo estudos de especialistas, é de 500 mortes por ano devido ao aumento da população e da frota. Mas o DF conseguiu virar o jogo e impedir esse placar: 255 vidas foram salvas em 12 meses, entre maio de 2018 e abril de 2019. 

“A gente vai lutar para manter esse resultado. Essa queda coincide com a nossa nova estrutura. A fiscalização e as multas dispararam, e as mortes despencaram. Não tem uma explicação a não ser a fiscalização intensa que fazemos”, afirma Oliveira. “A redução de mortes se deve a todos que participaram do Brasília Vida Segura. Cada um teve a sua medida, mas parceria é isso”, completa Oliveira. O comandante destaca também a forte parceria com o Detran.

 

Segundo a PM, das principais autuações que dizem respeito à vida, como acidentes, mortes e sequestros,  70% são feitas pela corporação. “Atuamos na área urbana e na Rodoviária. Por exemplo, autuação de alcoolemia, que é o forte e reduz morte, principalmente na área urbana, nós fazemos 72% de tudo”, aponta Oliveira.

Neste ano, foram 7,6 mil autuações de alcoolemia realizadas pela PM-DF, quantidade maior que no ano passado, com menos de 7 mil. O Detran-DF divulgou esta semana que foram 10 mil autuações ao todo. Chega a ser quase o mesmo que o Rio de Janeiro todo. 

“Apesar de as forças de segurança estarem com seus quadros defasados, existe uma força-tarefa para que isso não impacte a perda de vidas”, garante o Coronel Souza Oliveira.

Você também pode gostar

Nenhum comentário

Deixe uma resposta