17 de setembro de 2019
Olhar Brasilia
Lá na minha rua

A marca feminina na administração do Plano Piloto

Mulher, negra, advogada, uma brasiliense apaixonada pela cidade, ativista nas questões de gênero e agora administradora regional do Plano Piloto. Ilka Teodoro, 41 anos, assumiu a missão há 6 meses e, em conversa com o Olhar Brasília, aponta suas prioridades.  Entre elas, a criação da Câmara Regional de Convivência Urbana, para mediar os conflitos gerados em torno da Lei do Silêncio.   

É com a sensibilidade de quem nasceu em Brasília, e cria seus dois filhos brincando nos parquinhos infantis das quadras do Plano Piloto, que ela imprime sua forma de administrar uma das mais importantes regiões do DF.

O amor por Brasília e o conhecimento da área jurídica ajudam Ilka a enfrentar uma batalha diária: cuidar de uma área com 330 mil moradores, mas que chega a ter uma população de 1 milhão de pessoas durante os dias úteis.

São cerca de 700 mil brasilienses que se deslocam para a RA 1, ou seja, a região administrativa do Plano Piloto. Nada menos que 12 localidades, com perfis bem distintos, fazem parte da RA 1 (*veja abaixo).

Ilka tem uma missão desafiadora – cuidar de uma região que é tombada pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade, mediar conflitos entre moradores e organizadores de eventos culturais (por causa da Lei do Silêncio), revitalizar áreas como Setor Comercial Sul e W3, entre muitas outras responsabilidades que pesam sobre o cargo.

“A maior parte da agenda dedico a receber os representantes comunitários.” A administradora do Plano Piloto anuncia que neste segundo semestre será criada a Câmara Regional de Convivência Urbana, para cuidar especialmente dos conflitos entre moradores e comerciais por causa da Lei do Silêncio.

Formada pelo UniCeub, a mãe de Valentina, 10, e de Antônio, 12, defende a preservação da área tombada como algo essencial para que Brasília siga sendo “única e especial”.

Confira os destaques da entrevista ao Olhar Brasília :

Lei do Silêncio

Ilka aponta como o ponto mais sensível na administração regional. “A comunidade é muito atuante na RA 1, o que vejo como um ponto positivo. Recebemos muitas reclamações sobre o barulho em comerciais que incomoda os moradores. Temos vários locais de conflito na Asa Sul e na Asa Norte, e todos merecem nossa atenção.

Estou dedicada a essa mediação. Existe uma lei que tem de ser cumprida. Nós alertamos o setor comercial para isso e estamos atentos a abusos. Mas também tentamos junto dos moradores sensibilizar para o exercício da tolerância. Buscamos harmonizar essa relação entre moradores e comércio. Quando se extrapola, atuamos com rigor.

Este ano, suspendemos duas licenças de eventos no Setor de Clubes por causa de barulho, porque os promotores diziam que seria em local fechado com isolamento acústico, mas foi numa área aberta.  Estamos em permanente contato com os produtores de eventos para chamar a atenção quando necessário.  Agora no segundo semestre vamos criar a Câmara Regional de Convivência Urbana, para se concentrar nessas mediações.”

Mas Ilka esclarece que o poder da administração vai até a concessão da licença, depois cabe ao Ibram fiscalizar e tomar as medidas cabíveis quando se identifica descumprimento das normas. Sobre o evento na Praia (que chegou por medida judicial a sofrer restrições), os pré-requisitos para a realização do evento, que se encerrou no fim de semana passado, foram atendidos.

Metas de gestão

“Estou muito empenhada em algumas metas para cumprir na minha gestão. Reformar e garantir segurança nas passagens subterrâneas do Eixão. Realizar obras de acessibilidade. Dar atenção à sustentabilidade – gestão de resíduos sólidos – que é expandir o programa Lixo Zero, que tem a Quadra 113 Sul como referência.”

“Revitalizar e cuidar de espaços de convivência públicos, como os parquinhos das superquadras. Sou mãe, moradora da 203 Sul e sei da importância para a comunidade desses espaços nas superquadras. Eu já atuei na gestão de prefeitura de quadra para ajudar nisso.”

“Eu acredito que o administrador deve mediar questões. Acabamos com o papel. Aqui nada mais tramita por papel. Informatizamos os processos. O maior desafio é trabalhar com uma equipe enxuta e recursos limitados. Aqui temos apenas 67 funcionários.”

Tombamento

“Eu sou uma apaixonada por Brasília, pelo conceito arquitetônico da cidade, pela importância histórica da sua construção. Sou defensora do tombamento. Acho que é fundamental que a capital seja única e especial como é. É o que nos diferencia. Mas acho também ser possível conciliar o que aparentemente parece uma contradição entre tombamento e desenvolvimento econômico. Buscar alternativas de coexistir. Busco costurar, conciliar, encontrar um meio-termo, procurando alternativas.” Ela sinaliza que acredita ser possível revitalizar o Setor Comercial Sul com uma cuidadosa ampliação do seu uso como residencial, por exemplo, como o GDF já se manifestou também.

Para os 60 anos de Brasília no ano que vem, ela conta que foi criado um Grupo de Trabalho especialmente para fazer melhorias de urbanização, reabrir  monumentos, melhorar iluminação e calçamentos. “Brasília vai estar mais bonita e cuidada”, garante ela.

Mulher

Outra característica que se reflete na forma de administrar de Ilka é a defesa dos direitos da mulher. Ilka é ativista na questão de gênero. Abriu o primeiro escritório de advocacia no DF especialmente voltado para cuidar de casos da mulher. No momento, ela está afastada para se dedicar totalmente à administração regional.

Ilka foi presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB-DF. “Minha equipe é na maioria de mulheres. E 1/3 é negra. E tive a oportunidade de incluir mulheres em situação de vulnerabilidade,  situação de violência, aqui na administração. O empoderamento econômico da mulher ajuda muito a romper o ciclo da violência doméstica. Sim, eu sinto que tenho um olhar feminino sobre a cidade.

Todas as comunidades são atuantes. E no caso do Noroeste havia uma carência por urbanização, pois a Terracap, nos últimos anos, não tinha cumprido o que havia sido planejado. Mas há um esforço de melhorar as linhas de ônibus, limpeza, coleta de lixo e iluminação. Estamos cuidando do Parque Burle Marx na região, que é o segundo maior do DF, depois de Parque da Cidade. Já foi cercado e as melhorias vão continuar chegando.”

*Fazem parte da RA 1:

– Asa Sul
– Asa Norte
– Setor Militar Urbano – Noroeste
– Setor de Clubes – Vila Planalto
– Vila Telebrasília – Granja do Torto
– SIG
– SOF
– SAAN
– Núcleo Rural Boa Esperança

Você também pode gostar

Um comentário

  • Reply
    André Victor
    2019-09-04 at 16:06

    Bom saber que temos uma pessoa decente e bem disposta à frente da Administração do PP. Ibaneis montando um bom time. Parabéns.

  • Deixe uma resposta