19 de outubro de 2019
Olhar Brasilia

Attilio Zolin (@attiliozolin)

Capa Vitrine Cultural

Acordes de um coração candango

Apresentamos aqui mais um jovem talento na nossa série Essa é nossa gente!, para contar  um pouco a história de pessoas que acreditamos que nos representam como cidade:  humana, saudável, competente e alegre. Nossa forma de começar a comemorar uma data próxima e especial –  os  60 anos de Brasília! 

A partir de um instrumento musical, fazer a mágica de criar sons encantadores e surpreendentes. Transmutar o malabarismo dedilhado nas cordas em sons envolventes, cheios de vida,  que provocam sentimentos em quem ouve. É preciso muito talento para isso e Brasília tem de sobra.

Matheus Donato, 20 anos, é um jovem músico brasiliense que está impressionando tanto o meio musical como o público por seu talento. Não só por tocar o cavaquinho com muita intimidade, mas também por suas composições.

Só três músicos no Brasil tocam cavaquinho de 6 cordas, dois são de Brasília. Matheus é um deles e o outro é Márcio Marinho, o “Frango”, que toca no Samba Urgente. Com o acréscimo das cordas, o instrumento ganha os graves. Uma inovação que vem da escola do mestre brasiliense Hamilton de Holanda, que acrescentou 2 cordas ao seu bandolim, abrindo um universo de possibilidades ao instrumento.

E foi assistindo a um show, ainda adolescente, de Hamilton de Holanda que Matheus “se encontrou musicalmente”, conta ele. Aluno de composição musical da UnB, Matheus vai lançar seu CD de estreia como compositor na próxima sexta-feira (11 de outubro).

O gosto pela música vem do berço familiar, mas a identificação com um instrumento não foi imediata. O pai, Marco Donato, fez parte por 30 anos da Orquestra Nacional do Teatro Claudio Santoro tocando tímpano. A mãe, Sheila, é professora de piano erudito. Caçula de três irmãos, a primeira tentativa de Matheus foi com o violão erudito. Fez aulas na Escola de Música, mas não gostava.

A paixão musical só foi realmente acontecer quando assistiu a um show de Hamilton de Holanda. “Fiquei encantado! Foi junto com a Orquestra, e meu pai estava lá tocando também”, relembra ele. Queria fazer algo parecido e “se achou no cavaquinho”.

“Fazer amigos de verdade”  é uma das alegrias de Matheus ao se dedicar às rodas de Choro. “Isso me faz muito feliz!”, celebra. Matheus, que cresceu nas quadras da Asa Norte, acredita que o gosto pelo estilo musical tem “tudo a ver com Brasília”. Ele formou um quarteto com outros músicos talentosos: Sandro Souza, na bateria; Cairo Vitor, no violão; e Paulo Dantas, no baixo. 

E ele se orgulha em afirmar que os músicos da capital são muito respeitados no resto do país e também no mundo, especialmente na França. “Quando a gente diz que é de Brasília, os músicos de fora querem aprender com a gente, pois sabem de nossa qualidade técnica e também das nossas inovações”, conta ele.

Matheus, apesar da carreira curta, já acumula muitas apresentações, como a participação no Jazz à Vienne, no ano passado, e a edição da estação Choro no Sesc Varandas. Ele define seu estilo de composição pela influência do choro, jazz e MPB. “Acho Brasília uma cidade sensacional! Lamento não ter mais espaços para me apresentar. Mas estou muito feliz com a estreia e convido a todos a estarem lá com a gente na próxima sexta!”.

Vem Olhar e Ouvir!
Lançamento CD de música instrumental Ponto de Vista
Composições de Matheus Donato
Show Quarteto Matheus Donato com os músicos Sandro Souza – bateria
Cairo Vitor – violão Paulo Dantas – baixo
Em 11 de outubro – Sexta-feira
Às 20h
Espaço Cultural N27 – 713 Norte

Você também pode gostar

Um comentário

  • Reply
    César Brito Fechine
    2019-10-10 at 23:31

    Sucesso ao Matheus!

  • Deixe uma resposta