18 de fevereiro de 2020
Olhar Brasilia

Divulgação

Vitrine Cultural

Vem aí o Suvaco da Asa 2020: desfile oficial será neste sábado (8/2), no Eixo Monumental

Pioneiro do pré-carnaval brasiliense, o Suvaco da Asa promove seu desfile oficial neste sábado, dia 8 de fevereiro, no Eixo Monumental. Batizado de Baile de Debutante, será o 15º desfile do bloco pelas ruas da capital federal. Trata-se de grande comemoração gratuita, com concentração e dispersão em arena montada no estacionamento da Funarte.

O projeto é realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal (FAC). Sete atrações culturais se revezarão na animação dos suvaqueiros.

Programação

A festa começa com a versão infantil do bloco, o Suvaquinho da Asa. Das 10h às 13h, os pequenos foliões participam de brincadeiras, atividades lúdicas e de iniciação musical com a oficina percussiva Vivendo e Batucando, o Bloco Eletrônico Patubatê e o Bloco do Calango Careta.

Na sequência, a DJ La Ursa assume as picapes, fazendo o esquenta para o desfile oficial.

Às 15h, o estandarte 2020 do Suvaco da Asa será posicionado, sinalizando o início do cortejo – uma tradição pernambucana que o bloco brasiliense mantém desde a primeira edição.

Pelo 11º ano consecutivo, a Orquestra Popular Marafreboi puxará o desfile: percurso estacionamento da Funarte/Centro de Convenções/estacionamento da Funarte – o trânsito no local estará parcialmente interditado para o evento.

No retorno, a Marafreboi se apresenta no palco, seguida da Orquestra Alada Trovão da Mata, do grupo Seu Estrelo e o Fuá do Terreiro.

O encerramento da festa será em grande estilo, a partir das 18h30, com o show da pernambucaníssima Banda Eddie, que acaba de lançar novo trabalho, celebrando seus 30 anos de estrada, trazendo para o Planalto Central o clima do carnaval de Olinda – cidade natal do grupo.

Resistência cultural

Neste ano, a identidade visual do bloco estampa uma fênix. A ave mitológica, que morre no fogo e renasce das cinzas, é uma homenagem da troça carnavalesca a uma de suas diretoras e fundadoras, a Galega, que se recupera de um problema de saúde.

A ave representa ainda a Cultura, os produtores e artistas nacionais que lutam com muita dificuldade para realizar seus projetos.

Você também pode gostar

Nenhum comentário

Deixe uma resposta