2 de dezembro de 2020
Olhar Brasilia

Acervo de família

Marcia Zarur

Carta ao meu avô

Meu querido avô,

não cheguei a te conhecer mas, por incrível que pareça, coleciono um mosaico de lembranças tuas. Com admiração e carinho viajei com vocês por lugares fantásticos nos relatos da minha avó. Folheando seus livros vibrei com a sua contribuição fundamental para a Geografia brasileira.

Mas, de todas as memórias, a mais presente é a máquina de escrever que foi sua e que me acompanha há mais de 20 anos. Seu filho, meu tio jornalista, me deu de presente quando me formei também em jornalismo. E desde então essa máquina é o meu grande xodó.

Mais do que um lindo objeto de antiguidade, uma relíquia de família e um baú de memórias afetivas, essa máquina de escrever virou um símbolo da minha profissão.

Podem me chamar de idealista e romântica, mas sigo acreditando que o jornalismo é uma das profissões mais especiais e apaixonantes que existem. E sabe por quê?

Os jornalistas amplificam demandas da sociedade,
fazem a cobrança vigorosa de soluções para os problemas antes invisíveis,
dão voz a quem quase nunca se faz ouvir,
e têm a força e o dever de mostrar os reis despidos…

Por isso mesmo, os jornalistas incomodam – e como!
São eles que fazem perguntas inquietantes.
As mais indesejadas pelos poderosos normalmente são as mais necessárias.
E nessa procura incessante por desvendar a verdade e expor a realidade,
eles constroem um dos pilares mais importantes da democracia.

Há erros e excessos pelo caminho, sem duvida, pois os jornalistas também são gente. Mas tentar calar essa voz potente e indispensável traz um prejuízo incalculável. Sem o jornalismo livre e atuante, é como se nós andássemos a ermo pelo mundo, enxergando e ouvindo muito pouco, e sem termos a menor noção de onde estamos e pra onde vamos.

Os artesãos da notícia vão ampliando a nossa capacidade de ver, ouvir e refletir. Textos e imagens registram o curso da história, sacudindo a sociedade, contrariando interesses, questionando sempre. Nossa maior vocação é a curiosidade. E perguntar será sempre a nossa maior arma. Sede de saber e de informar. Tenho orgulho de fazer parte disso e de ter a sua antiga máquina de escrever como símbolo do meu trabalho.

Um beijo carinhoso,
Marcia Zarur

*publicada originalmente no blog do Coletivo Literário Maria Cobogó, na série ‘Cartas na pandemia’ em homenagem ao grande geógrafo Jorge Zarur, meu avô.

Você também pode gostar

Nenhum comentário

Deixe uma resposta