10 de maio de 2021
Olhar Brasilia

Fotos de Daniel Mangabeira

Espaço convidado

Uma visita ao prédio do Dnit

Convidado: Daniel Mangabeira é brasiliense nascido em Itabuna, arquiteto formado pela UnB em 1999, sócio do BLOCO Arquitetos e um dos criadores do @brasiliamoderna

Em mais um capítulo da série Quando Brasília era Moderna, a história do prédio do Dnit, outra joia da paisagem urbanística da capital.

Há preciosidades arquitetônicas desconhecidas do grande público em Brasília. O Eixo Monumental reúne os principais prédios da cidade, mas é próximo a ele, no Setor de Autarquias Norte, onde está um enorme, belíssimo e desconhecido edifício. O Dnit, antigo DNER, tem o tamanho proporcional à sua importância. 

O arquiteto Rodrigo Brotero Lefèvre foi o coordenador do projeto enquanto funcionário da HidroService em Brasília. Foram três anos ininterruptos de projeto e quatro anos de construção até a sua conclusão, em 1979.

No início da Asa Norte, próximo à L2, seus quatro pavimentos-tipo sobre pilotis têm forte presença na paisagem, mas poucos já o visitaram internamente. O projeto inicial previa o térreo livre e desocupado, assim como deveriam ser os pilotis dos edifícios residenciais do Plano Piloto, mas, paulatinamente, esse espaço foi sendo ocupado. Hoje, apesar das áreas tomadas com salas de serviço ao público, boa parte do térreo ainda se mantém desocupada e revela a importância desse espaço coberto, aberto e de uso comum.

 

Não há cercas que impeçam o acesso a todo o térreo, e Seu Joaquim, o vigia, não te proíbe de admirar o jardim central e as áreas abertas acessíveis a qualquer um que passe pela rua.

 

A premissa do projeto era criar um espaço flexível que permitisse diversos tipos de ocupação e usos. Essa flexibilidade, porém, se contrapõe ao rigor compositivo das torres cilíndricas que escondem os banheiros públicos e expõem as escadas de vidro que as conectam ao volume central. Esse volume expõe os elementos mais marcantes do projeto, os quebra-sóis de concreto. Em quatro tamanhos e formatos distintos, instalados na fachada de acordo com a orientação solar, são fixados de maneira delicada nas vigas de borda do edifício e propiciam o máximo de conforto aos pavimentos das salas, pois impedem a incidência direta da luz solar nos ambientes. Vale ressaltar que a manutenção desses belos brises é feita de maneira correta pela zeladoria do edifício, que sempre recupera o concreto aparente e preserva o aspecto original do edifício! Parabéns aos responsáveis!

Em virtude de suas grandes dimensões, pode-se dizer que o Dnit tem o caráter de uma cidadela, com a sua arborizada praça central, e grande área coberta e ventilada, um edifício gentil ao usuário que prioriza o convívio social e permite o livre acesso ao visitante. Poucos prédios públicos são tão generosos em Brasília! Vale a visita!

Você também pode gostar

5 Comentários

  • Reply
    Ulisses Borges de Resende
    2017-08-19 at 08:22

    O prédio do DNIT é realmente uma joia rara da arquitetura de Brasília. O espaço interno dele é realmente magestoso, com pé direito alto e corredores largos, onde se percebe uma suave brisa permanente que proporciona imenso conforto ambiental, mesmo batendo lá fora o sol inclemente de Brasília, graças aos quebra-sois que foram projetados de forma tão extraordinária que também permitem a entrada da claridade do dia e ampla visão do espaço externo, conforme o ângulo que se olhe. Você não tem a impressão de estar em um prédio fechado, ao contrário, há uma marcante sensação de amplitude. Nas greves, as assembléias de servidores se reunem debaixo do bloco, na área dos pilotis do prédio. É um espaço coletivo maravilhoso. Cabe observar que ele não é um prédio do tempo da construção de Brasília, mas ele incorpora a grandiosidade do espírito daquela época, quando as pessoas sonhavam e sabiam que estavam construindo o futuro do nosso país. A equipe de arquitetos que o concebeu mandou muito bem.

  • Reply
    Gilson Medeiros
    2017-08-22 at 08:55

    Lindo prédio. Orgulho em fazer parte dessa importante Autarquia.

  • Reply
    Artur Taveira
    2017-08-23 at 14:28

    Já tive oportunidade de visitar, é mesmo formidável!

  • Reply
    Lídia Martins
    2017-08-24 at 08:42

    Impressiona, já tive oportunidade de visitar e fiquei admirada pelo projeto.
    Esta reportagem me informou quem foram os responsáveis pelo projeto.
    Parabéns

  • Reply
    Raimundo Nonato Martins Freitas
    2018-05-22 at 20:16

    Um lindo edifício! Sou apaixonado por sua beleza arquitetônica e sua imponência. Carrego comigo, vida a fora, o orgulho de ter trabalhado na sua construção, pela construtora Alcindo Vieira Convap S. A., de 1976 a 1979. Eu era um jovem sonhador aux. de Topografia. Que tempos aqueles! Eu trabalhava com o Sr. Hesly Almeida e Silva, topógrafo com quem aprendi muito. Hoje sou topógrafo também e sou feliz com essa tão linda profissão que Deus me deu.

  • Deixe uma resposta