8 de maio de 2021
Olhar Brasilia

Fotos de Daniel Mangabeira

Espaço convidado

Quando a escassez de recursos preserva a memória da arquitetura

Convidado: Daniel Mangabeira é brasiliense nascido em Itabuna, arquiteto formado pela UnB, em 1999, sócio do BLOCO Arquitetos e um dos criadores do @brasiliamoderna

Em mais um capítulo da série Quando Brasília era Moderna, curiosidades sobre os projetos residenciais de Niemeyer.

Oscar Niemeyer projetou praticamente todos os principais edifícios do Eixo Monumental, mas pouco é publicado sobre seus projetos residenciais em Brasília. Os blocos com pilotis das 107 e 108 Sul, que fazem parte da Unidade de Vizinhança, são mais conhecidos, porém há diversos blocos menos divulgados que foram construídos nas quadras 408, 411, 412 e 413 da Asa Sul. São os comumente chamados Edifícios JK.

Nas quadras 411, 412 e 413 Sul, um mesmo projeto arquitetônico foi repetido de forma idêntica em 28 projeções. Com desenho austero e construção econômica, foi encomendado pela Fundação da Casa Popular, porém, lamentavelmente, nenhum edifício, dos 28 construídos, manteve qualquer característica do projeto original. Todos foram reformados e/ou deformados. Não apenas os revestimentos foram alterados, mas as esquadrias, os embasamentos, as empenas, a calçada de acesso, as aberturas laterais e até mesmo o volume do edifício foram modificados. Todos os blocos construíram “puxadinhos” que abrigam portarias, e vários abriram portas em paredes inteiras de cobogó.

Na 408 Sul, está o último edifício JK de Niemeyer com certa integridade arquitetônica e que conserva a memória dos revestimentos e do volume original edificado: o bloco G. Os blocos E, F, H, I e J têm o mesmo projeto, mas apenas o G possui características do projeto inicial. Uma possível causa do atual estado de preservação seja o fato de o edifício não passar por reformas há muito tempo, encontrando-se em degradado estado de conservação. Por acaso ou sorte, esse descaso preservou características do projeto original: o embasamento é pintado e não recebeu nenhum tipo de revestimento cerâmico como em outros blocos; a esquadria de ferro ainda pode ser encontrada em vários apartamentos; os cobogós foram pintados, mas mantidos inalterados em toda a fachada noroeste; o acesso ao edifício ainda é único apesar da cobertura adicionada à fachada; e a caixa de escada não foi alterada, como em quase todos os outros blocos com o mesmo projeto.

A manutenção de monumentos e prédios públicos é essencial para a preservação da história de Brasília, que está intrinsecamente conectada com a história da arquitetura brasileira, porém, enquanto parcos investimentos são feitos na preservação desses importantes edifícios, boa parte do patrimônio cultural da nossa cidade está desaparecendo em edifícios que fazem parte do nosso cotidiano. Estes são igualmente importantes para a preservação da memória da arquitetura moderna brasileira, mas estão paulatinamente sendo destruídos em reformas de mau gosto.

Contraditoriamente, em Brasília, construções que ainda mantêm alguma característica original são aquelas menos preservadas. Na capital federal, parte da memória da arquitetura moderna feita na década de 1960 é mantida por ruínas ainda em uso. Aqui, modernizar é antagônico ao moderno. Modernizar é incoerentemente utilizado para justificar alterações em um projeto moderno! Modernizar em Brasília é contraditório.

Se analisarmos as razões da falta de manutenção do bloco G da 408 Sul, a escassez de recursos provavelmente será uma delas, daí outro contrassenso surge: enquanto o lógico seria investir financeiramente na manutenção e na recuperação da arquitetura moderna, aqui a falta de recursos financeiros é uma das causas da preservação da arquitetura moderna.

Você também pode gostar

2 Comentários

  • Reply
    Fernando Linhares
    2017-09-18 at 09:58

    E quando o prédio é bonito mas não funcional? Alterações estéticas em projetos do Niemeyer quase sempre vão ser para pior, mas as vezes as idéias do arquiteto eram pouco funcionais e tornavam ambientes menos aconchegantes. Não sei qual é o equilíbrio disto mas me parece, por exemplo, válida a intervenção de colocar uma cobertura na fachada.

  • Reply
    Esquadria de Aluminio
    2018-05-11 at 14:41

    Exatamente o que eu procurava, obrigada!!

  • Deixe uma resposta