16 de maio de 2021
Olhar Brasilia
Lá na minha rua

A marca da cidade

Um símbolo que representa a nossa pluralidade cultural, transmite os encantos da cidade, a imensidão do horizonte e a riqueza da arquitetura. A logo que desenha o skyline de Brasília foi a vencedora do concurso Marca Brasília.

O tom de azul foi escolhido por causa do céu e dos espelhos d’água da capital. E a tipografia foi minuciosamente projetada, com cada letra fazendo referência aos monumentos de Brasília. O contorno do Hospital Sarah Kubitschek, a pira olímpica do Panteão, a Catedral, o Museu Nacional, os azulejos de Athos Bulcão e o Congresso Nacional foram a inspiração das letras.

“Brasília foi fundada como uma cidade futurística, então, queríamos trazer esse feeling para a marca”, revela Igor Guimarães Borges.  Ele, em parceria com Matheus Gomes de Vasconcelos, criou a marca. Uma homenagem aos arquitetos Oscar Niemeyer e João Filgueiras Lima, o Lelé, e ao artista Athos Bulcão. 

O designer brasiliense, de 21 anos, ficou sabendo do concurso por um cartaz na faculdade. “A primeira ideia surgiu de um projeto que eu fiz no meu segundo semestre de curso”, conta Igor, que acabou de se formar. “Não tem como descrever a alegria de ter a minha marca escolhida e ela poder representar a minha cidade em qualquer lugar do mundo”, comemora.

A marca poderá ser usada gratuitamente, além de reproduzida em qualquer meio de divulgação, desde que algumas regras sejam respeitadas. O manual, com todas as instruções, está quase pronto e será divulgado no próximo mês aqui: marcabrasilia.com.br

A escolha

O concurso, idealizado pela Fecomércio e diversas outras entidades, recebeu mais de 500 inscrições. Uma diversidade de olhares sobre a cidade. Uma comissão técnica teve bastante trabalho para avaliar as concorrentes, entre maio e agosto deste ano, e selecionar as três finalistas. A última etapa foi uma votação popular, que escolheu o skyline, com 46% dos votos. Os vencedores receberam R$ 20 mil e a honra de ter a sua criação como a marca da cidade.

Você também pode gostar

Nenhum comentário

Deixe uma resposta