9 de maio de 2021
Olhar Brasilia
Espaço convidado

Carta ao meu pai

Convidada: Maria Elisa Costa, filha do arquiteto Lucio Costa, o homem genial que criou o plano urbanístico de Brasília. Cidade que, como Maria Elisa, é filha dele também. Se estivesse vivo, Lucio Costa completaria 116 anos. 

LUCIO COSTA – 27 de fevereiro, dia do aniversário dele.(signo Peixes, verbo Eu Creio);
Encontrei nos meus arquivos essa carta, que lhe escrevi em outro 27 de fevereiro, quando ele completava 80 anos. (Carta a meu pai digitada – o original é manuscrito)

24/2/82

Papai,

A gente tende a achar que dizer o óbvio não vale a pena. Mas às vezes eu acho que vale. Me lembro uma vez, em Montaná, no Hotel St. Georges, quando você estava em Portugal, e eu estava me sentindo bem, contente, e virei pra Mamãe e disse: “Obrigada por eu ter nascido”. E ficou gravada na minha cabeça a expressão dela ouvindo isso – na ocasião eu não me dei conta do que podia ser para ela ouvir aquilo – agora, que existe a Julieta, é que eu sei. Então, além de “obrigada por eu ter nascido”, há que dizer a você também outros “obrigadas”.

O que a gente passa para filho é muito mais o que a gente é do que o que a gente diz, certo que está dando o recado principal. E o que eu quero te dizer é o quanto a sua maneira de ser, essa liberdade interna tão total (trata-se do primeiro “menino do Rio” – só que a asa delta é dentro da cabeça), essa coisa de estar junto e respeitar a do outro – porque você tem a sua, e gosta que a sua também seja respeitada – e tudo isso tão normal!

E esse prazer sempre renovado de comer um bom chocolate, e essa fé na humanidade, infensa a todas as bombas e a todas as bobagens, e essa capacidade de não se cristalizar, de sempre poder dizer outra coisa; além de fazer Brasília e a casa do Thiago com o mesmo carinho; não sei mais o que, se for fazer a lista não acaba mais.

É que você é um contínuo, íntegro e livre ao mesmo tempo, e para mim, como para Helena certamente, a existência desse contínuo é uma coisa sem preço. Acho realmente uma sorte ter vindo a esse mundo através de você e da Mamãe – dela veio aquela coisa do viço, do frescor da flor de campo; e de você essa coisa da liberdade de terno e gravata.

Um privilégio.
MERCI !
Um beijo
ME

Você também pode gostar

Nenhum comentário

Deixe uma resposta