21 de maio de 2022
Olhar Brasília

Helio Montferre

20
Sabores Mexeu com Brasília, Mexeu Comigo!

Panela Candanga – O sabor do Cerrado

Estamos comemorando os 58 anos de Brasília, e não há melhor maneira de celebrar do que saboreando suas delícias, as delícias do Cerrado. A história da nova capital foi cheia de desafios e descobertas sobre os potenciais dessa rica região, que – agora – começa a escrever um novo capítulo do setor gastronômico com a valorização e divulgação do Cerrado.

Há alguns anos, chefs de cozinha e consumidores do Brasil vêm se rendendo ao sabores de alguns produtos daqui, como o baru e o pequi, por exemplo. Mas esse bioma é um manancial de frutos e castanhas deliciosos, e que vai além: com produtos que podem ser adquiridos em comunidades extrativistas, indígenas e de pequenos agricultores. 

Temos também queijos, embutidos, geleias e muitas outras delícias. Ao comprá-los, os consumidores ajudam a manter as famílias no campo produzindo alimentos que não agridem a saúde nem o meio ambiente. E ainda colaboram para preservar tradições culinárias, memórias culturais e a biodiversidade.

Mas quais são esses produtos? Onde encontrá-los? Como comprá-los? E em que época? O que é possível preparar com eles? Para ajudar a responder a essas perguntas e levar as iguarias do Cerrado para a mesa dos brasilienses e dos brasileiros, um grupo de chefs de Brasília uniu esforços. Assim nasceu o Panela Candanga, há pouco menos de 1 ano.

farofadecarneO projeto é liderado pelos chefs Mara Alcamim (Restaurante Universal), Francisco Ansiliero (Dom Francisco) e Gil Guimarães (Baco Pizzaria e Parrilla Burger), produzido pela DUBEM Entretenimento e apoiado pela Abrasel-DF.  A ideia é mostrar que, embora Brasília seja uma cidade nova, já conta com produtos nativos ou feitos de um jeito único e especial.

Esse grupo de chefs se reuniu para montar uma base de dados com informações sobre esses produtos. A intenção é que essa plataforma possa ser consultada e enriquecida pelos usuários por meio de novas sugestões a serem pesquisadas. Todas as informações estarão, a partir de 5 de maio, disponíveis no site www.panelacandanga.com.br.

E já é possível degustar os pratos com o charme e o sabor dos ingredientes do Cerrado nos restaurantes Universal, Oliver, Pizzaria Baco e Francisco. Muita gente já experimentou e gostou. No restaurante Oliver, na sexta-feira 13, foi realizado um happy hour para apresentar algumas dessas criações, como o ceviche do Cerrado. 

“Estamos buscando uma identidade gastronômica própria do Cerrado, valorizando e fortalecendo tanto os produtores como os chefs locais”, destaca Rodrigo Freire, do Oliver.

No menu volante, risoto de rabada e farofa de carne da lata, servida com cajuzinho e maracujá, ambos do Cerrado. Ao som de sucessos nacionais de samba e choro, o encontro embalou os corações dos brasilienses que amam Brasília e defendem suas belezas singulares. 

02 96Não faltou doçura nesse evento, especialmente vinda em uma bela homenagem aos monumentos da cidade, que ganhou uma linda torta em forma de Catedral! A deliciosa obra de arte foi assinada por Renata Diniz, à frente da Renata Diniz Chocolatier.

Renata não é integrante oficial do Panela Candanga, mas deu sua contribuição à degustação de pratos do Cerrado com o grand finale da sobremesa, recheada por uma linda e leve massa vermelha de frutas vermelhas. 

A Panela Candanga ganhou um ingrediente especial: a campanha Mexeu Com Brasília, Mexeu Comigo!, do site Olhar Brasília. Estamos juntos, misturados, para valorizar o que a nossa cidade tem de bom. E Brasília é muito gostosa! Tem sabor, sim, senhor!

Para olhar e experimentar do nosso Cerrado! 

Maracujá-pérola – Resultado do cruzamento de diversas espécies de maracujá cultivadas na região, após cerca de 20 anos de pesquisas e melhoramento genético da espécie Passiflora Setacea pela Embrapa Cerrado. Diferente do maracujá tradicional, ele é doce, podendo ser consumido puro ou ainda dar um toque diferenciado a receitas, como doces, drinques e até em alguns pratos salgados, trazendo sabor agridoce e um ar exótico para a nossa mesa.

Cajuzinho-do-cerrado – Uma planta nativa da região. Nasce espontaneamente em uma área de 10 hectares de vegetação selvagem e é conservada no núcleo rural Taboquinha, município de Padre Bernardo, a 100km de Brasília, replantada também em outros lugares por um grupo de pequenos produtores. Para manter o abastecimento o ano inteiro, os produtores congelam a polpa, fazem doces, licor, cachaça e até kombucha (bebida probiótica fermentada), evitando, assim, o desperdício.

Embutidos artesanais produzidos pelo Léo Hamu, que também é membro do Slow Food. Faz um resgate da culinária do Brasil Central, apresentando-a à nova geração com muito sabor. Há três anos, ele fabrica, no Núcleo Rural Rajadinha, no Paranoá, carne de lata (o famoso confit da técnica francesa) e uma linguiça caipira bem especial: a carne é cortada em pedaços e embutida em uma tripa média; em seguida, é defumada em folhas de laranjeira e conservada em banha de porco. Não se usa nenhum tipo de conservante e a durabilidade é de seis meses.

Queijos da cabra Chic – Queijo de cabra artesanal. Sem aqueles aditivos químicos que acabam com a graça de qualquer alimento. Leite tirado da cabra Anglo Nubiana. Conta com uma linha diversificada: como ricota, boursin, frescal, meia cura, montanhês, sardo e o demi-chèvre, feito com queijo de cabra e de vaca.

 

68 04 04

66 97

20 02 5

08 17 01 87

12 105

14 22 06 27

103 10 106 95

13 92 90

14 101 53 50 41 44 100 38 16 35

Você também pode gostar

Nenhum comentário

Deixe uma resposta